A homocisteína e a vitamina B12

O novo colesterol 

A homocisteína e a vitamina B12

Algumas publicações médicas a consideram “o novo colesterol”, mas a homocisteína ainda é muitas vezes desconhecida pelo público em geral.

Homocisteína elevada é a causa de muitas doenças

A homocisteína é considerada “o novo colesterol” e as consequências do seu desequilíbrio não estão ainda bem estudadas. O assunto é cada vez mais um foco na medicina, uma vez que está relacionado com a patogénese de muitas doenças. Níveis elevados de homocisteína estão associados a danos nos vasos sanguíneos e podem conduzir a desordens como hipertensão arterial, ataques cardíacos ou derrames. (1-2) Além disso, o excesso de homocisteína tem um efeito negativo sobre a saúde das células, o que está associado ao desenvolvimento de Alzheimer ou demência.A correlação com a depressão, distúrbios oculares e osteoporose está ainda a ser estudada.

Até agora, apenas cerca de 50 % dos ataques cardíacos e derrames podem ser explicados por fatores de risco. A homocisteína é atualmente uma dos candidatas mais promissoras para preencher a lacuna da outra metade. Atualmente, é estimado que cerca de 10% dos ataques cardíacos e acidentes vasculares cerebrais podem ser explicados pelo aumento da homocisteína. (4-5)

Em altas concentrações, a homocisteína danifica as células diretamente, e é por isso apontada como um veneno celular. No entanto, esta definição é enganadora, pois a homocisteína é um produto intermediário necessário e natural do metabolismo. Ela favorece, no entanto, um espessamento do sangue, de modo que a partir das duas perspectivas contribui para um aumento do risco cardiovascular. (6)

A homocisteína e o abastecimento da vitamina B12

Normalmente, a homocisteína, um produto intermediário no metabolismo. Ela fica acumulada nas células do corpo e em outras substâncias, tais como a S-adenosilmetionina (SAM), a qual é a base para a síntese de muitos compostos do organismo. Para a conversão da homocisteína certas etapas metabólicas são necessárias. A vitamina B12 e ácido fólico são centrais no processo – quando existe um desequilíbrio ao nível dessas vitaminas, a homocisteína não pode ser processada. Quando a homocisteína resultante fica acumulada é prejudicial para a saúde.

A homocisteína pode também ser também convertida numa instância no fígado e rins por meio da betaína. Se transiciona para metionina ou é degradada com o auxílio de vitamina B6 para cisteína. Os factores centrais para os níveis de homocisteína são, assim, a vitamina B12, o ácido fólico, a vitamina B6 e a betaína. A vitamina B12 e o ácido fólico são os compostos de maior importância.

metil-cobalamina

A hiper-homocisteinemia como um indicador de deficiência de vitamina B12

Devido á sua relação próxima, os níveis de homocisteína também são usados como indicadores indirectos de deficiência de vitamina B12. Níveis elevados de homocisteína, também chamados de homocisteinemia, indicam uma deficiência de vitamina B12 – mas aqui também a falta de ácido fólico pode ser a causa. Como a determinação de níveis séricos de vitamina B12 é muito confiável, a homocisteína é muitas vezes analisada, a fim de interpretar os resultados. Os valores relevantes para os níveis de homocisteína diagnóstico é medido no sangue, aqui é um resumo do actual interpretação dos valores.

Valores normais

< 8 -10

Valores elevados

10 – 12

 Valores críticos

> 12

Os níveis de homocisteína: riscos para idosos e vegans

Níveis elevados de homocisteína são encontrados frequentemente em pessoas idosas ou vegans. A causa é muitas vezes a falta de vitamina B12. Enquanto a dieta vegetariana naturalmente contém pequenas quantidades de vitamina B12, os problemas de absorção da vitamina podem causar deficiência em idosos. Os indivíduos mais velhos têm cerca de 40-60 % de homocisteína a mais.
Contribuem para o risco de níveis elevados de homocisteína um elevado consumo de álcool e de café, a utilização de drogas e condições como doenças do estômago, intestinos e fígado. Detalhes podem ser encontrados nos artigos sobre a deficiência de vitamina B12.

Homocisteína – apenas um indicador?

A avaliação dos níveis de homocisteína como fator de risco é por vezes discutido. O professor Norbert Fuchs defende que a homocisteína não seria um agente de doença, mas apenas um representante da deficiência de nutrientes. É essa falta de nutrientes que constitui o problema real, e nem sempre a própria homocisteína. (7) A homocisteína demostra apenas que existe uma perturbação na transferência do grupo metilo, que tem uma importância significativa na construção e regeneração de novas estruturas celulares na hematopoiese em cardio-metabolismo vascular e síntese de neurotransmissores.

Envolvida nesta subida das substâncias de ligação, betaína, vitamina B6, vitamina B12 (metilcobalamina), ácido fólico (metil-THF) e SAM todos têm uma ligação muito mais directa para a homocisteína os sintomas e, por conseguinte, foram atribuídos a a causa subjacente. A redução da homocisteína é, portanto, muito pouco visível, mas os nutrientes necessários para ser controlado e otimizado são.

A homocisteína e o nivelamento das vitaminas

Se a homocisteína é apenas um indicador ou uma substância nociva, ainda está por definir. De qualquer forma, a melhor prevenção contra níveis elevados de homocisteína e deficiências de nutrientes é a ingestão de vitaminas. 

Além das preparações de vitamina B12 habituais, existem também suplementos especificamente combinados que são adaptados para a redução da homocisteína, e que contêm todos os nutrientes relevantes. Se tais suplementos são realmente úteis, pode ser detectado com um simples exame de sangue. Vegans e idosos, em particular, deveriam se focar em seu abastecimento de vitamina B12. A frequência da deficiência de vitamina B12 é elevada, e tal pode ser evitada com a ingestão de suplementos básicos da vitamina.

 Referências

  1. 1 Fanapour PC, Yug B, Kochar MS. Hyperhomocysteinemia: an additional cardiovascular risk factor. WMJ. 1999 Dec;98(8):51-4. Review. PubMed PMID: 10639897.
  2. 2 van Beynum IM, Smeitink JA, den Heijer M, te Poele Pothoff MT, Blom HJ. Hyperhomocysteinemia: a risk factor for ischemic stroke in children. Circulation. 1999 Apr 27;99(16):2070-2. PubMed PMID: 10217643.
  3. 3 SESHADRI, Sudha, et al. Plasma homocysteine as a risk factor for dementia and Alzheimer’s disease. New England Journal of Medicine, 2002, 346. Jg., Nr. 7, S. 476-483.
  4. 4 Christine Vetter. Homocysteinämie – Risikofaktor für Herz und Gefäße. Zahnärztliche Mitteilungen 23/2003
  5. 5 Stanger O, Herrmann W, Pietrzik K, Fowler B, Geisel J, Dierkes J, Weger M; DACH-LIGA Homocystein e.V. DACH-LIGA homocystein (german, austrian and swiss homocysteine society): consensus paper on the rational clinical use of homocysteine, folic acid and B-vitamins in cardiovascular and thrombotic diseases: guidelines and recommendations. Clin Chem Lab Med. 2003 Nov;41(11):1392-403. Review. Erratum in: Clin Chem Lab Med. 2004 Jan;42(1):113-6. PubMed PMID: 14656016.
  6. 6 Guilland JC, Favier A, Potier de Courcy G, Galan P, Hercberg S. [Hyperhomocysteinemia: an independent risk factor or a simple marker of vascular disease?. 1. Basic data]. Pathol Biol (Paris). 2003 Mar;51(2):101-10. Review. French. PubMed PMID: 12801808.
  7. 7 Norbert Fuchs. Homocystein – Risikofaktor, der keiner ist. PharmaTimes, 04/2011



Leave a Reply